Nova onda latina além do Despacito, tomara que desta vez venha para ficar

0

Por Ives Berger
Sou diretor deste portal há mais de 14 anos, quando cheguei a São Paulo, há mais ou menos 16 anos, a onda latina na cidade estava no “auge” (um auge tímido, mas não deixava de ser auge) em São Paulo, no total de 9 casas tocavam música latina, dava para sair a dançar de segunda a domingo, as propostas eram a mais diversas, mas o que predominava era a Salsa e o Merengue, hoje ritmos cada vez menos tocados, nesta nova onda latina que invade, desta vez, o Brasil inteiro.

As escolas de dança na época ofereciam cursos de salsa, merengue, casino, sempre com turmas cheias, neste cenário surgiram Brasileiros que se apaixonaram por estes ritmos e se tornaram excelentes Dj’s, como no caso do Bruno Gadelha, o que lhe valeu estar na lista dos principais Dj’s de música latina do Brasil, inclusive com participação no Festival Soy Latino, o maior festival latino americano do Brasil, assim como ele, nomes como Flavia Durante (mas virada para o pop latino e latinidades) ,Thyago Carvalho, Gabriela Ubaldo (cumbia e latinidades), fazem parte deste espectro de ótimo profissionais dentre outros.

Dj Bruno Gadelha no Festival Soy Latino 

Com alegria acompanhei o crescimento desta onda, que abriu portas e empregos para muitas pessoas e sobre tudo, o que achei a parte mais legal, aproximou as pessoas, os brasileiros se aproximaram mais ao nosso continente.

Mas infelizmente, as coisas se esfriaram, as casas começaram a fechar, só um par se mantiveram, a euforia pelos ritmos latinos tinha se acalmado, como uma onda quando recua.

Foi uma pausa longa, mas foi desta pausa, onde nasceram projetos independentes interessantes, como a festa La Raza, Festa Que Rico! do Dj Pancho, Macumbia da Dj Gabriela Ubaldo, dentre outros, bandas como QuimbaráOrkestra  K, foram criadas por paixão pela música de nosso continente.

Dj Pancho

Hoje os ritmos de reggaeton de Anitta, Ludimila, Maluma, Shakira, se misturam nas pistas de dança de qualquer balada em São Paulo, coisa que não se via antes e isto me deixa feliz, para nós que trabalhamos na integração de nossos povos, é uma ótima noticia, claro que tem os que criticam estes ritmos e esta onda, mas os que criticam isto não enxergam que com esta nova abertura, se abrem também novos caminhos para novos projetos como os do Viva Cuba Festival, organizado pelos dançarinos e produtores baianos Alexei Ramos e Emilia Pedra, um evento voltado para a cultura popular cubana, que é realizado com sucesso em São Paulo e outras cidades.

Os produtores baianos Alexei Ramos e Emilia Pedra

O Proprio Festival Soy Latino na sua 5ª edição (22 mil público em rotativo) é uma mostra deste fenomeno neste festival se reune o mais amplo espectro sonoro e o melhor da cultura, gastronomia, dança e música latina em São Paulo. Tendo o 75% do público brasileiro, toda uma conquista.

5ª Edição do Festival Soy Latino no Memorial de América Latina, em junho deste ano

Esta nova onda também trouxe o talento de imigrantes latino americanos que nos deleitam com o melhor da música latina contemporânea e relutam ainda para continuar tocando ritmos clássicos como salsa, merengue e outros mais, nesta lista temos a Dj peruana Cecilia Yzarra, o colombiano Montoya e o Dj Antonio Martinez do Peru, dentre outros. 

Dj peruana Cecilia Yzarra

A banda Timba Havana é o ultimo aporte na cena musical na cidade, residente em São Paulo, Timba Havana é uma orquestra formada por 12 respeitados músicos cubanos e brasileiros. Interpretando temas autorais, além de outros já consagrados no “universo salsero”.

Timba Havana

Eu vejo com alegria como o Brasil recebe esta nova onda de braços abertos e pés ligeiros nas pistas, vejo esta nova onda mais solida, são outras épocas, a tecnologia mudou tudo.

Tomara que desta vez venha para ficar!

Deixo aqui um video desta música gravada em São Paulo pelo meu grande amigo, o cubano Fernando Ferrer el jibaro.

Para ficar por dentro das festas e eventos latinos, visite a agenda de nosso portal.